VOLTAR A COMEÇAR

Quando chega o fim do ano escolar e é hora de colher frutos na escola, no trabalho, no campo dependendo mais da natureza … quando o que se sonhou e planificou, o que se trabalhou dia a dia e que já quase víamos nas nossas mãos não chega a este bom final, que sensação de perda de forças, de meios e de tempo difícil de recuperar!

Foi assim que me encontrei há uns dias atrás, enquanto assistia ao noticiário, na “vinha de Nacho”. As suas palavras e lágrimas impressionaram-me, e mais ainda a sua imensa paixão para, no dia seguinte, voltar ao lugar do seu sonho, valorizar tanto esforço, olhar para tanta herança recebida e ao mesmo tempo a sua parte de inovação que nela colocou e tentar refazer-se para voltar a começar.

Nacho começou há alguns meses, com meios “caseiros”, a mostrar a sua vinha, com o cuidado de quem é consciente de ter recebido um tesouro e ao mesmo tempo ter trabalhado muito: “Não temos muitas vinhas e trabalhamos a qualidade. São vinhas que cuidamos muito bem. A minha política é ter pouca vinha, mas trabalhá-la bem … Quando vi quatro centímetros de granizo disse: isto é selvagem. E o estrago está na vinha; é perder uma joia. Se fosse só este ano, conformava-me; mas o problema é o que vai vir e como se vai recuperar … Estou no monte chorando e ligo para o meu pai entre lágrimas …”

Acumulavam-se palavras como tempestade, danos irreparáveis ​​e catástrofe, angústia ao ver agora o que ia muito bem, perda das vinhas que cuidou durante anos, anos de recuperação e sonhos que tinha … E tão depressa que ele recuperou outro olhar – o da herança recebida e dos anos de trabalho com o pai, da criatividade nas novas tecnologias e da aprendizagem partilhada daquilo que está a descobrir … – surgiram outras palavras: recuperação, tratamento das estirpes afetadas, produtos para tratar feridas e que sarem, podar no inverno e deixar dois botões no caule verde, esperando que sejam eles a puxar, ou puxar um novo braço, mesmo que demore anos … vês a videira brotar e vês que é mais forte do que tu. ”

É o fim de um ciclo, e é surpreendente esse “recomeçar” de quem recupera a esperança quando já perdeu quase tudo, mas descobre algo de mais valor e mais forte no interior, juntamente com os outros: “todos vivemos da vinha, estamos todos no mesmo e sofrendo. ”

Nacho partilha frequentemente a sua experiência com uma narrativa apaixonante e imagens e vídeos em redes e canal do YouTube. Quando o descobri, fazia-o chorando perante a perda, e voltando a acreditar no sonho que lhe dá vida e cuida dela com paixão e dedicação. A sua intenção é continuar melhorando e ampliando a narrativa da realidade da vinha. Aprender, ajudar e contribuir: “Não quero ser professor de nada, apenas ensino o que faço, uma obra oculta que se deve mostrar. Como se tratam as vinhas para ir em busca da melhor qualidade possível”.

Acreditar e cuidar, melhorar e contribuir, aprender e mostrar … mesmo com a tempestade tem que se recomeçar. Porque a própria vinha tem uma força – diz ele – que “é mais forte que tu”. É uma herança que deve ser cuidada. Qual é o ponto de apoio e a alavanca que levanta, que diria Henrique de Ossó? Outro olhar para a realidade que possibilita outra palavra, outra esperança que renova o sonho de voltar a acreditar, colocar o que está nas nossas mãos para tratar as feridas, curar os botões e confiar que uns vão arrancar outros para que a planta se cure e volte a dar fruto de novo … Porque é herdado. Sabemos que o Dono do campo cuida da vinha e a faz crescer sem que saibamos como … e que um planta, outro rega, mas é Ele quem a faz crescer.

É final do ano escolar e ajuda-nos esse olhar apreciativo do bem recebido e grato por aqueles que, no mesmo ou noutros campos, nos unimos na esperança e no bem, no cuidado das sementes que um dia serão frutos nas mãos para oferecer.

Isabel del Valle

Share on facebook
Share on twitter
X