As Comunidades de religiosos de Raval e Ciutat Vella voltámos a reencontrar-nos

É uma das características mais bonitas do bairro onde vivemos desde a nossa chegada. O costume já havia começado alguns anos antes e eu, M. Victoria Molins, participava dessas reuniões desde que havia entrado para a missão e suas reuniões, antes mesmo de morar aqui.

Uma vez por mês, sempre na última sexta-feira, encontramo-nos no final do dia num dos apartamentos da comunidade que, por turnos, se converte em anfitrião.

Desde a pandemia e pouco depois do confinamento mais isolado, decidimos fazê-lo através do Zoom e assim comunicámos como estávamos agindo nas diferentes obras sociais em que estivemos envolvidos, as dificuldades, as conquistas, a forma de nos reinventarmos no meio dos desafios que a nova situação apresentava. Mas, durante todo esse tempo, não nos tínhamos reunido presencialmente.

Decidimos fazê-lo como um “adeus” ao ano escolar onde costumávamos fazer noutros anos porque tínhamos mais espaço e quase diria “por tradição”: no abrigo S. João de Deus, onde os Irmãos daquela Congregação tão querida na esfera social. E com uma paelha que o diretor e sua irmã que mora e trabalha no albergue costumam oferecer-nos como bons valencianos.

Começámos, como sempre, com uma Eucaristia muito partilhada – não sem antes nos abraçarmos, comovidos e comovidas pelo tão desejado reencontro – e com a apresentação dos novos que durante esse tempo foram acrescentados por destino às comunidades. Da mesma forma, despedimo-nos da nossa “abadessa” – cargo simbólico e divertido que atribuímos à irmã mais veterana e que agora me tocará a mim.

As palavras emocionantes de Consuelo Giner, do Sagrado Coração, ao aceitar com alegria a vontade de Deus e a nova mudança para uma enfermaria da Congregação aos 92 anos, preparando-se para o encontro definitivo com Cristo, encantaram-nos a todos e todas. Ela, especialista em música, disse-nos que depois de viver toda uma vida “na clave do Si”, agora se prepara para fazê-lo, além disso, não “na clave de Fá”, mas na “Fé” e que, mesmo que lhe custe, vai feliz, sem esquecer estes anos maravilhosos no Raval.

Nesse dia, tocava precisamente a leitura de Abraão em que se cumpriu a promessa de fecundidade que Deus lhe fizera na velhice. Também nós, a maioria idosa, temos a convicção de que a nossa vida é e será frutífera onde quer que estejamos e não pelo que fazemos, mas por quem somos.

Foi também a Irmã Llum Delás, entre outras e outras pessoas, que nos entusiasmou com uma nota de esperança no meio das dificuldades vividas na pandemia, porque Deus se manifestou de muitas maneiras através da generosidade de tantas pessoas solidárias … com os irmãos, através de tantas ações ocultas, mas fecundas que nos enriqueceram a todos nesta difícil prova que vivemos e que continuaremos a viver devido às suas consequências.

No final da Eucaristia que vivemos em profundidade e alegria, o jantar com a maravilhosa paelha valenciana, o riso ao escutar as memórias de uma vida religiosa de outros tempos com as suas “provas”, os seus estilos improváveis ​​para os jovens e não tão jovens, as anedotas pré-conciliares… e a apresentação detalhada e muito simpática dos novos: dois Jesuítas e uma Oblata.

Que alegria reencontrar e inaugurar aquelas conferências mensais que tanto nos ajudaram ao longo de trinta anos!

Share on facebook
Share on twitter
X