A nossa participação no dia dos migrantes e refugiados – Valencia Almazora

Incentivadas a tomar consciência do desafio da migração, participámos no dia diocesano, que este ano foi organizado na Paróquia de S. José Operário de Valência, no bairro de Benicalap, periferia da cidade, que foi eleita pelo seu trabalho na integração dos migrantes.

O contínuo apelo do pároco ao encontro, à solidariedade ressoava internamente e tudo teve um marcado caráter inter-religioso e ecuménico, um encontro fraterno com irmãos de outras religiões e povos.

Com mensagens, poesias e canções no acolhimento no “pátio da solidariedade” iniciámos a marcha pelo bairro, para sensibilizar sobre a difícil situação dos migrantes e refugiados. Como uma manifestação saímos pelas ruas com os cartazes “PARA UM NÓS CADA VEZ MAIOR” e com outro do Papa Francisco que dizia “O sistema económico atual é injusto na sua raíz e mata”.

Gritos de “Não ao racismo” ressoavam pelas ruas do bairro: “Ninguém é ilegal”. É isso que se tenta: integrar e formar família com quem vem de diversos países.

Três grupos de silêncio e reflexão foram organizados nas ruas, acompanhadas de mensagens e canções. O último que tivemos diante da paróquia onde intervieram D. Javier Salinas, bispo auxiliar de Valência, o pároco e um sacerdote cubano, todos reforçando a ideia do nós e o sonho de um mundo e de uma humanidade mais unida.

Num dos grupos, tivemos em conta, diferentes orações: judaica, cristã e muçulmana.

O lema da Paróquia para este ano dedicado a S. José “DEDICAI ALGUMA COISA A S. JOSÉ, OPERÁRIO, IMIGRANTE E REFUGIADO” e atualmente desenvolve um projeto de acolhimento a uns 20 migrantes de diferentes países da África que residem nas suas instalações.

Ouvindo a voz do Papa, o pároco Padre Jesus Belda abre a sua paróquia para o acolhimento e o encontro com diversas atividades formativas e recreativas, distribuídas ao longo da semana:

Às segundas-feiras, encontro de amizade e fraternidade inter-religioso e intercultural, com questões para reflexão e diálogo a partir dos valores humanos e sobre as questões sociais ou o sentido da vida. Às terças-feiras, um fórum de cinema com filmes e documentários que tratam da questão das migrações. Às quartas-feiras, aulas de espanhol e depois canções populares valencianas. Às quintas-feiras, leitura e comentário sobre poesia social. Às sextas-feiras jantares partilhados. Aos domingos, paelha comunitária e distribuição de alimentos.

O acolhimento, a proximidade e a dedicação do sacerdote são para nós e para o voluntariado uma mediação e razão para seguir o apelo contínuo do Evangelho que o Papa Francisco nos recorda constantemente. Algumas irmãs da Comunidade participámos das reuniões e principalmente das aulas de espanhol e de acompanhamento.

        “É hora de incorporar o grito de tantos e acolher as pegadas já marcadas”

COMUNIDADE DE VALENCIA- ALMAZORA

Share on facebook
Share on twitter
X